Twitcam Beth Almeida e o Web Currículo 5/4 17h

by

A professora Beth Almeida realizará uma twitcam, uma transmissão online de vídeo com comentários via twitter, sobre o Web Currículo. A professora e coordenadora do PPG Educação: Currículo da PUC-SP faz parte da linha de pesquisa Tecnologias na Educação, do grupo de pesquisa Formação de Professores em Meio Digital e do grupo de pesquisa Aprendizagem com Mobilidade.

A professora será entrevistada por alunas do mestrado e do doutorado da Pós-Graduação em Educação: Currículo da PUC-SP. O evento será divulgado pelo blog e twitter do Web Currículo, e interessados podem também mandar sua pergunta antes do dia da entrevista.

Informações:
Twitcam com Beth Almeida
Moderadoras/Entrevistadoras:
Débora Martins (@educacaolivrepp)
Paloma Machado (@paloma_machado)
Valdenice Minatel (@vminatel)
Renata Aquino Ribeiro (@renataaquino)
Neli Maria Mengalli (@nelimaria)
Dia: 5/4 – 3a
Horário: 17h-18h
Como participar:

https://webcurriculo.wordpress.com
Envie seu comentário com perguntas
http://twitter.com/webcurriculo
Acesse no dia para acompanhar a transmissão

O tema da fala da profa. Beth é “O conceito de Web Currículo e a discussão sobre a integração das tecnologias ao currículo”.

A professora Beth Almeida responderá perguntas e comentários de internautas e também a perguntas e comentários enviados previamente pelo blog do Web Currículo.

Após a entrevista online, será publicada a síntese e a gravação do evento.

Envie sua pergunta através dos comentários.

Saiba mais sobre a profa. Beth Almeida nas reportagens abaixo.

Reportagem sobre mobilidade e educação no Universo EAD Senac

Reportagem A tecnologia precisa estar presente na sala de aula – Educar para Crescer

Tags: , , ,

34 Respostas to “Twitcam Beth Almeida e o Web Currículo 5/4 17h”

  1. nelimariamengalli Says:

    Professora Beth, qual o significado da expressão web currículo?

  2. Twitcam Beth Almeida e o Web Currículo 5/4 17h « II Seminário Web Currículo PUC-SP « Pesquisa Educação Says:

    […] Direto do blog Web Currículo PUC-SP. […]

  3. Paloma Says:

    Será que é possível definir se o conceito de Web Currículo se aproxima mais da ideia de utilização da tecnologia na implementação do currículo convencional vigente, ou do desenvolvimento (criação) de um currículo novo, que não seria possível sem a tecnologia? Em outras palavras, nessa concepção a tecnologia está a serviço do currículo prescrito, ou visa transformar esse currículo, trazendo inovação à prática pedagógica?

  4. renatakelly Says:

    Professora Beth, os professores a cada dia estão apropriando-se das tecnologias no ambiente escolar, no entanto, ainda precisam percorrer longos caminhos para efetivos resultados. Na sua opinião, os professores estão preparados para utilizarem o conceito Web Currículo na escola de forma a incorporar as mídias digitais no projeto políltico pedagógico da escola?

  5. valdeniceminatel Says:

    Beth,
    Na sua concepção, de que forma o web currículo pode integrar currículo e tecnologias promovendo o protagonismo de professores e alunos?

  6. Renata Aquino Says:

    Teresa Pombo: Muitos professores me questionam sobre como envolver outros professores num ensino aprendizagem mais século XXI, que integre mais as tecnologias. Costumo responder que não me preocupam muito os professores que não integram ainda. Preocupo-mo em apoiar os que o fazem, incentivar e divulgar as suas boas práticas. Na opinião da Professora, o que deve ser feito para sensibilizar mais professores para esta necessidade de inovação e adequação com as TIC? – Pergunta de teresa pombo via fb

  7. cybelemeyer Says:

    Professora Beth não há professor que já não tenha ouvido falar ou mesmo utilizado esporadicamente a tecnologia como recurso para promover a aprendizagem, porém será que o professor se sente apto a compreender “quando, como, quais, por que e para que” deve integrar este uso e consequentemente incorporá-lo ao web currículo para obter resultados eficazes? Caso a resposta seja não, qual o caminho para chegar até estas apropriações?

  8. Paulina Says:

    A pesquisa tem mostrado que os professores têm dificuldade em integrar as tecnologias a suas práticas pedagógicas. Na minha pesquisa de Doc. verifiquei que professores planejam de forma empírica e assistemática, os registros das práticas não são feitos de modo a serem avaliados posteriormente. Há quem diga que primeiro os professores deveriam planejar, depois usar tecnologia, ou seja, primeiro a “pedagogia”, depois a “tecnologia”. Será?

  9. Andre Genesini Says:

    Professora Beth,

    Como a senhora ve a possibilidade de uso de qr code como instrumento de realidade aumentada pelas escolas e universidades brasileiras? . Eu tenho acompanhado alguns estudos aonde os alunos usam qr code (códigos de barra 2d) para dar maiores informações sobre exposições montadas pelos própria escola e universidade. Eu adotei a pratica com meus alunos da pós graduação e eles gostaram muito. Basicamente, em uma exposição normal (de fotos, maquetes, artigos expostos) se coloca um código de barra que da ao telefone dois tipois de informação: um offline e outro online. As informações offline podem dar informações como o autor e intenção do criador da obra ou artigo exibido. A informação online, opcional e com maiores detalhes, exige conexão do celular à Internet e leva a um site com mais informações sobre o artigo exibido. A grande maioria dos celulares com camera, independente do sistema operacional ou fabricante, ja tem leitores de codigo de barras disponiveis para serem instalados gratuitamente. Me perdoe pela grande explicação, que tem como objetivo deixar claro o que pergunto e deve ser suprimida no debate (apenas queria dar um exemplo de aplicação para ajudar no seu raciocinio, se assim desejar). A pegunta em sí é a seguinte: Como a senhora vê a aplicação desta tecnologia (qr code como realidade aumentada em celulares) nas escolas e universidades brasileiras?

  10. Julciane Says:



    O caso contado por Ginsburg neste vídeo me suscitou algumas questões sobre a relação da escola com a novas formas de adquirir conhecimento, por meio da internet. Quando penso em conhecimento na atualidade, logo me vem à mente o Google.

    Segundo Ginsburg, o google (chamado por ele de um poderoso instrumento de homogeneização cultural) seria, ao mesmo tempo, um poderoso instrumento de pesquisa histórica e um de cancelamento da história. Para o autor, essa seria uma das implicações da revolução tecnológica pela qual estamos passando, em que a especificidade material em que o livro (o conhecimento) está inscrito se perde.

    Minha questão é: Como a escola poderia atuar no sentido de trazer à tona estes aspectos que subjazem a internet e que, muitas vezes, passam totalmente despercebidos aos nossos olhos? Será que os professores estão atentos para estes aspectos da questão ou estão mais preocupados com a formação técnica e instrumental dos alunos no uso das tecnologias?

  11. Débora Martins Says:

    Mário Machado: Como as redes sociais contribuem para o trabalho de produção de texto no ensino fundamental?

  12. Cristiana Assumpção Says:

    Profa. Beth,

    Além dos aspectos pedagógicos na adoção de tecnologia nas escolas, onde se repensa estratégias de aula para melhor aproveitar as novas tecnologias hoje acessíveis, tem o desafio de acesso a material didático pronto para estas novas interfaces. As editoras só agora estão começando a pensar em materiais multimídia. Em uma pesquisa feita este mês no Colégio Bandeirantes, descobrimos que 90% dos nossos alunos tem iPod Touch, e 52% Smartphones. Sendo uma população privilegiada, talvez estes números não sejam tão representativos. Mas o celular é uma tecnologia que permeia todas as classes sociais, e provavelmente seja a interface de inclusão digital para um futuro mais próximo. Como a senhora enxerga o caminho para estarmos preparados com materiais didáticos adequados para estas novas interfaces, o papel do professor, da escola e das editoras?

  13. Débora Martins Says:

    Mário Machado via facebook: Como posicionar de forma pedagógica o uso da novas tecnologias (moveis ou não) do cotidiano social para o âmbito escolar? Essa é a dificuldade de muitos professores, de não saber ou não conseguir puxar um gancho do que os alunos já fazem uso (celular, redes sociais, chats, games, etc), para aplicar de forma prática dos conteúdos sugeridos em sala de aula.

  14. Agenda Twitcam 04/2011 « Internetando Says:

    […] Ela falará sobre “O conceito de Web Currículo e a discussão sobre a integração das tecnologias ao currículo”. Perguntas e comentários podem ser enviadas com antecipação no blog do Webcurrículo. […]

  15. Renata Aquino Says:

    Alice Carraturi: Pergunta: como avaliar aprendizagens adquiridas pelos alunos que fazem uso de TIC na escola? FB

  16. Renata Aquino Says:

    marilda massucattobraga: A pergunta é: que experiência prática pode ser destacada no contexto da integração entre currículo e tecnologia? Fb

  17. Renata Aquino Says:

    marilda massucattobraga: há uma mudança curricular quando a tecnologia entra de fato na cultura escolar?
    marilda massucattobraga: Em que aspectos?

  18. Jaime Balbino Says:

    Pensando na desejável escola inclusiva, isto é, capaz de trabalhar todos os alunos, apesar de sua heterogeneidade e de suas necessidades especiais; será que estamos contribuindo para que tenhamos também uma tecnologia inclusiva na sala de aula? Mais que isso, será que o currículo consegue trabalhar essa diversidade e com isso apontar as adaptações tecnológicas para que a inclusão (escolar e tecnológica) aconteça?

  19. Marli Says:

    Professora Beth, fala-se já no uso das redes sociais na aprendizagem entre os especialistas e docentes mais incluídos digitalmente, mas a realidade das escolas mostra que a grande maioria dos professores sequer sabe lidar com as ferramentas mais básicas, apesar das escolas estarem bem equipadas tecnicamente. A formação continuada para uso das TICS é rara nas escolas e poucos são os professores que a buscam por conta própria. Que solução apontas para que esse potencial das tecnologias chegue ao conhecimento da maioria dos professores?De quem precisa ser a iniciativa? Na sua opinião, falta conhecimento ou motivação para a utilização de um webcurrículo?

  20. MARIA DOLORES Says:

    Profa. Beth, é sabido por todos nós- e sou um exemplo disto- que as TICs são elementos importantíssimos para a inclusão, principalmente de pessoas com deficiência. Mas para que tenhamos uma escola onde caibam TODOS, se faz necessários que as novas tecnologias integrem-se ao currículo, e mais ainda, que este currículo seja integrador, inter e ou/transdisciplinar. Na sua opinião, o que é necessário para que este sonho se faça possível, para que se materialize o inédito viável? O que nós, pais, professores e alunos podem fazer?

  21. Maria Carmozina Marques LEMOS Says:

    Até o momento, estou lendo e refletindo em torno do que cada participante está discorrendo sobre o tema web currículo.

  22. Renata Aquino Says:

    DENISE VILARDO VIA FB:

    Há tempos lutamos por mudanças necessárias nas escolas regulares. Muito foi feito, mas pouco foi alcançado. Hoje vivemos a urgência da transição, da mudança vinda de fora pra dentro; e ou a escola muda ou a escola muda!

    Não há receitas, não há predeterminações. Existem diferentes caminhos sendo trilhados por grupos de professores, em contextos diferentes, para atender a demandas diferentes.

    Não se trata de fazer adaptações do que ainda existe a “ambientes tecnológicos”. Trata-se de criar o que não ainda existe, a partir das pistas que temos. É ousar sem medo de errar; é errar e tentar novamente.

    Pensar em possibilidades curriculares para além do que existe hoje como sistema. Novos tempos e espaços; não seriação; conhecimento consagrado pela humanidade servindo de link para a criação de novos conhecimentos, a partir de interações impossíveis de serem realizadas até há pouco tempo.

    E estar dispostos a encarar o inusitado, o vir-a-ser.

    Para mim, a questão que deve estar copresente o tempo todo é como a Educação na Rede pode colaborar com a construção de uma sociedade mais digna e igualitária. Essa é uma meta que não demos conta na educação tradicional. Creio que temos em mãos uma excelente oportunidade de começar a virar esse jogo.

    Desculpe, Beth, não ter uma questão formalizada, mas apenas algumas reflexões acerca do tema e que gostaria de partilhar.

    Um grande abraço e tudo de bom pra você!

  23. Renata Aquino Says:

    Vanessa Matos: como formular propostas com este fim (integração das Tics ao currículo educacional) se os educadores / pedagogos ainda recebem uma formação precária e o tradicionalismo insiste em acreditar que as Tic reduzem a importancia do professor

  24. Renata Aquino Says:

    Fernando Albuquerque Costa: qual seria em sua opinião a medida mais certeira para convencer os professores a utilizarem as TIC no currículo?

  25. Graça Moreira Says:

    Cara Profa. Beth,
    Entendemos que as tecnologias digitais reestruturam nossa forma de pensar, interagir com os demais, colaborar, autorar e aprender.
    Qual a influencia dessa resstruturação do pensamento no currículo?

  26. Mirna Tonus Says:

    Cara Beth, pena que não poderei assistir, pois estarei em aula, mas deixo aqui minha pergunta: Quais as implicações da demora na inclusão das TIC no currículo dos cursos de graduação voltados à formação de professores? Como você avalia essa inserção por meio de componentes optativos?
    Grande abraço. Tenho certeza de que será ótimo.
    Mirna

  27. Neli Maria Mengalli Says:

    O evento é divulgado no Facebook WebCurrículo (http://www.facebook.com/?ref=home#!/group.php?gid=103992319634986).

    Como está o currículo para formação de quadros técnicos em empresas, diante do apagão de talentos que estamos vivendo hoje? (Sergio Storch)

  28. Marcinho Lima Says:

    Professora Beth Almeida, boa tarde!

    Primeiramente registro minha gratidão e apreço por sua produção que vem nos inspirando desde a década de 80, ainda quando se discutia se “as tecnologias digitais como o computador tinham ou não lugar na educação”. Os tempos seguiram e a cibercultura se fez cotidiano.

    Penso que se tecnologia digital é cultura, não é ela que deve estar na escola! É a escola que precisa estar na cultura, incluída e incluindo. Nesse sentido, a formação dos professores precisa estar alinhada ao seu tempo, favorecendo a formação do cibercidadão. Coloco, então, três questões/comentários:

    1. Em minha pesquisa atual percebo que as iniciativas para a formação do professor para a cibereducação são tímidas. Ao se omitirem, as universidades não estão prestando um desserviço ao processo educativo? Os efeitos do “Web currículo” não precisam “sensibilizar” também os cursos de pedagogia e licenciaturas? Não estamos operando processos de formação desarticulados do contexto contemporâneo, a cibercultura?

    2. Para ser mais efetiva a pesquisa em educação com TICs não precisaria se aprofundar nas questões da cibercultura, buscando maior compreensão do contexto de sua realização? Percebo muitos “discursos educativos” movidos por modismo, senso comum e sem uma base conceitual definida.

    3. Gostaria de um comentário seu a respeito do posicionamento do CONAE/2010 quanto a questão da formação de professores via EAD no Brasil.

    Muito obrigado. É sempre um prazer vê-la/ouvi-la e ler suas produções.

  29. Martha Prata-Linhares Says:

    Querida Professora Beth,

    Gostaria de conhecer alguns exemplos de currículos de cursos de graduação (ou pós graduação), especialmente os voltados à formação de professores, em que as tecnologias digitais de informação e comunicação sejam um componente “importante” na organização curricular.
    Um grande abraço e obrigada!

  30. Maria de Lourdes São Bento Says:

    Boa noite,
    muitas duvidas dos participantes, são as minhas. Gostaria de saber onde vejo as respostas ou se as mesmas são encaminhadas aos email de cada um?
    Obrigada
    Maria de Lourdes São Bento

  31. Renata Aquino Says:

    Olá Maria de Lourdes! Sim, o evento ficará registrado aqui no blog após a transmissão ao vivo da palestra da profa. Bjs

  32. Manoel Araujo Filho Says:

    Ola Beth, como vai? O que você acha da constatação que os Cursos de Pedagogia e Licenciatura trabalham pouco as TICs e portanto não assimilaram as mudanças de um WebCurrículo. Não seria um bom ponto de partida, ou reforço (para quem já iniciou)? Assim depois de um tempo, professores teriam condições de trabalhar currículos com essas características. Abraços

  33. Maria João Says:

    Olá,
    Uma pergunta para o Twitcam da a Profª Beth:
    Como certificar via currículo de forma adequada as competências e conhecimentos adquiridos via Redes Sociais como o Twitter?
    Um abraço deste lado do Atlântico
    Maria João

  34. Débora Martins Says:

    Profª Beth, como você observa a entrada do sofware livre no Web Currículo?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: